06.07.11

 

Fomos Reis e senhores dos bancos de jardim de toda a cidade.

Imperámos num domínio absoluto, com uma paixão de ferro que imaginava

loge o seu inevitável enferrujar.

E o Sol beijava-nos os lábios.

E os lábios beijavam-se a si.

E todo o Universo consistia nuns escassos metros ao nosso redor.

E o perfume do Verão, incitador e guardião de segredos, esqueceria para

sempre a nossa impressão digital, outrora violentamente decalcada

na terra

nos arbustos

nas folhas

nas árvores

e em nós.

 

Tiago Fragoso

 

 

publicado por Conversas Trocadas às 18:50

31.10.10

publicado por Conversas Trocadas às 00:53

29.10.10

«Não terias nenhum poder sobre mim, se não te fosse dado do Alto.» (Jo 19, 11)

 

Através do dia à dia apercebo-me que tenho poder sobre as mais variadas coisas e pessoas. Que posso mudar um curso de vidas.

Para gerir o poder que temos sobre algo ou alguém é necessário possuir um sentido de responsabilidade sobre esse poder, de modo a aplicá-lo correctamente e assertivamente.

O poder não é só dar ordens. É saber dar a cara e assumir as responsabilidades. É ser a cabeça que tem de dar o exemplo. É ter de dar as boas e as más notícias. É ser o ultimo a sair do barco quando ele afunda.

Poder é responsabilidade. Responsabilidade é poder.

E por aqui me fico...

 

publicado por Conversas Trocadas às 13:41

28.10.10

O peso do dia...

É algo que muitas vezes sinto sobre mim ao chegar à cama.

O peso das responsabilidades, da rotina, do trabalho...por outro lado o peso da felicidade, amizade e força de viver.

O peso pesa, mas faz sentido. Um peso que pesa com sentido. Um peso preenchido.

Desta forma o peso transforma-se em leveza. Fecho os olhos e aguardo vigilante por mais um dia de pesos leves.

 

 

publicado por Conversas Trocadas às 00:38

26.10.10

às voltas da minha vida...

publicado por Conversas Trocadas às 23:30

29.10.09

Hoje, associado ao título do post surgiram também as seguintes conclusões:

 

O tempo dos homens não é o tempo de Deus. Ele saberá o que me irá conceder, na devida altura, da devida maneira. Pois da forma como Ele deseja é a melhor possível, a Deus nada é impossível. Ele apenas quer o meu bem.

 

Este tipo de ideias surgem quando os outros exigem que demonstremos as verdadeiras razões da nossa fé e a forma como a vivemos e encaramos. Gosto destes exercícios que Ele me exige através dos outros.

 

Para além das conclusões, partilho também a música que marcou o meu HOJE.

 

 

Alexandre Santos

publicado por Conversas Trocadas às 19:17

28.10.09

 

Há algumas semanas no chão da esplanada de um bar encontrei uma pequena cruz de madeira, daquelas que costumam estar nas dezenas. É impressionante com Cristo se revela nos lugares mais inesperados.

 

Encontrar ali aquela cruz fez-me pensar.

 

Fez-me pensar que significado e importância tem a Cruz para mim e na minha vida.

 

Fez-me pensar na minha cruz pessoal, no peso que ela eventualmente tem. Cristo convida-me a aliviar de mil e uma formas esse peso. E eu muitas vezes fico indiferente a esse apelo, cheio do meu EU, deixo-me arrastar esmagado por um peso desnecessário.

 

Ao fazer isto estou a desvalorizar o sacrifício de Cristo na Cruz. Estou a sobrecarregar o próprio Cristo. Estou a esmagar Cristo na minha vida!

 

 

Encontrei uma cruz num bar, de quem seria essa cruz? A minha que estava perdida? A de outra pessoa? Ou a do próprio Cristo que me pede alguma ajuda e alivio?

 

 

Alexandre Santos

publicado por Conversas Trocadas às 21:36

25.09.09

Cristo: Eu sou teu.

Eu: Senhor eu sou teu.

 

Quando serei capaz de sair dos limites da minha própria existência e ter este diálogo? O certo é que a primeira frase já foi pronunciada, só falta ser eu a falar.

Na verdade é me muito difícil sair do meu egoísmo e entregar-me Áquele que já se entregou há muito tempo por mim.

 

 

Alexandre Santos

publicado por Conversas Trocadas às 23:20

18.09.09

 

Alexandre Santos

 

publicado por Conversas Trocadas às 18:28

16.09.09

 

Presença...

 

Senhor eis-me aqui...

 

A humildade na demonstração da disponibilidade e da necessidade de ajuda é uma virtude necessária em determinadas ocasiões do nosso caminhar. Por vezes parasse à berma da estrada e dizemos-Lhe: eis-me aqui para continuar a caminhar, de que forma queres que eu caminhe, ou para onde é que Queres que eu caminhe?

 

Em outras ocasiões: eis-me aqui. Não estou a caminhar bem, acho que estou perdido, quero encontrar o caminho que Queres para mim, necessito da Tua ajuda.

 

Alexandre Santos

 

publicado por Conversas Trocadas às 23:07

Queremos ser...

"Precisamos de Santos sem véu ou batina.
Precisamos de Santos de calças de ganga e sapatilhas.
Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos.
Precisamos de Santos que colocam Deus em primeiro lugar, mas que também se esforcem na faculdade.
Precisamos de Santos que tenham tempo para rezar
e que saibam namorar na pureza e castidade,
ou que se consagrem na sua castidade.
Precisamos de Santos modernos,
Santos do século XXI,
com uma espiritualidade inserida no nosso tempo.
Precisamos de Santos comprometidos com os pobres
e as necessárias mudanças sociais.
Precisamos de Santos que vivam no mundo,
se santifiquem no mundo,
que não tenham medo de viver no mundo.
Precisamos de Santos que bebam coca-cola
e comam hot-dogs, que usem jeans,
que sejam internautas, que usem walkman.
Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro,
de música, de dança, de desporto.
Precisamos de Santos que amem apaixonadamente a Eucaristia
e que não tenham vergonha de tomar um ‘copo’
ou comer uma pizza no fim-de-semana com os amigos.
Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos,alegres e companheiros.

Precisamos de Santos que estejam no mundo;
e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo,
mas que não sejam mundanos."

João Paulo II

Autores das Voltas
Pesquisar Voltas Trocadas
 
Voltas Dadas
RSS
blogs SAPO